Avançar para o conteúdo principal

Sin city na Máquina do Tempo



Baseado na novela gráfica homónima de Frank Miller, Sin City é um filme perfeito no que à sua génese é importante: ser uma completa transladação dos contos presentes na fonte. Mas será que este pressuposto significa que estamos perante uma grande obra?

Texto de Miguel Ribeiro

Realizado por Robert Rodriguez e Frank Miller, Sin City contou também com a participação especial de Quentin Tarantino,  assim como uma lista estelar de actores como Bruce Willis, Mickey Rourke, Clive Owen, Benicío Del Toro, Jessica Alba, Rosario Dawson, entre outros.

Baseado em três contos presentes na novela gráfica, “The Hard Good-Bye” , “The Big Fat Kill” e “That Yellow Bastard” a película contou ainda com um pequeno conto de nome “The Customer is Always Right” que serviu de prólogo e epilogo ao filme.

Claramente inspirado em filmes como Pulp Fiction no que toca à montagem, cada sequência conta com uma personagem máscula, com o objectivo de proteger ou vingar alguém, sempre seguido pela narração voz-off, personagens questionando-se sobre a sua força ou capacidade de continuar, com algumas tiradas ligadas ao humor negro, e violência extremamente estilizada, tipíco do próprio autor Frank Miller.

 A palavra cool está presente em todos os planos e pequenas nuances dadas, tanto pelos actores, através da actuação e da narração, como pela montagem do filme. Os close-ups às faces das personagens acentuando uma frase ou uma voz-off, o fumo saindo do cigarro, os olhares das personagens, a violência e as mulheres com os seus corpos perfeitos e curvilíneos ajudam a compor um cenário intenso.  A atmosfera está credível ,  a imagem e o estilo são realmente reis nesta obra literalmente trazendo à vida a novela gráfica do mesmo nome.

Robert Rodriguez quis criar uma transladação da novela gráfica e não uma adaptação. Podemos discutir se existe alguma redenção nas personagens de Hartigan (Bruce Willis) e Marv (Mickey Rourke), mas o foco principal do filme são as estórias, embrulhadas num trabalho visual de primeira categoria, com personagens cliché e cartoonescas, claramente inspiradas pelo ”film noir” e pelo mundo das novelas gráficas , em que o objectivo é o entretenimento.

Existem filmes que já tinham explorado este estilo visual , como Pleasantville ou A Lista de Schindler , mas é em Sin City que este contraste entre o preto e branco e o uso pontual de outras cores para acentuar determinadas cenas assume total foco.

Sin City foi um dos primeiros filmes (Sky-Captain and The World of Tommorrow, Immortel, Casshern) em que se filmou toda a película sobre green-screen, usando câmaras digitais de alta-definição Sony HDC-950 e com apenas três cenários construídos “à mão”.

O resultado final impressionou muitos críticos aquando a sua saída, pela veracidade da interacção entre as personagens e o ambiente que as envolvia. Impressionante reparar que algumas cenas de acção do filme foram filmadas sem que alguns actores alguma vez se tivessem encontrado no set, como as cenas envolvendo Mickey Rourke e Elijah Wood.

Antes de terminar, o porquê de Quentin Tarantino ter filmado uma das cenas do filme, nomeadamente, a sequência do carro entre Benício Del Toro e Clive Owen. Aparentemente, Robert Rodriguez fez a banda sonora de Kill Bill: Volume 2 por apenas um dólar! Como favor, Tarantino prometeu a Rodriguez que filmaria uma cena do seu próximo filme também por apenas um dólar. Tarantino ficou contente com o resultado e foi a primeira vez que filmou totalmente em digital, visto que é um acérrimo defensor do uso da película sobre o digital.

Existem imensas críticas díspares sobre esta  obra de Rodriguez. Ela reflecte, em grande parte, uma nova geração de ver cinema, em que a violência já não impressiona muito, mas em que também a própria audiência já aprendeu a não a levar muito a sério, quando esta é obviamente ficional e apresentada numa tela a duas dimensões.

Aqui temos uma grande obra é verdade, mas porque o que se decidiu fazer desde o início foi atingido em todos os níveis, alcançando as expectativas que se tinham sobre o filme. Poderemos discutir se faz parte de um post-noir ou discutir a embalagem e a integridade intelectual da escrita presente.

Mas qualquer discussão à volta dos méritos e deméritos do filme (não os encontro a não ser os habituais erros de continuidade, e outros erros pontuais, normais numa película) irá esbarrar contra a parede que é esta obra, contaminada por uma experiência visual ímpar, e uma estória que consegue entreter a todos os níveis. O que mais se pode querer de um filme de entretenimento?

Confira o trailer do filme: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…