Avançar para o conteúdo principal

Opinião: "You got mail"

Link da imagem


O mês de Novembro começou e termina definitivamente em alta.


 A prestigiada e lendária Count Basie Orquestra , que nas décadas de cinquenta e sessenta gravou três álbuns com Frank  Sinatra,  aceitou o desafio de Carlos do Carmo para que, juntos recriassem algum do fabuloso repertório  popularizado por “The Voice”.A mágica noite aconteceu no passado dia 10 de Novembro em Lisboa e diz quem lá esteve: que foi um daqueles espectáculos que se assiste uma vez na vida. Está de parabéns Carlos do Carmo, nosso “A Voz”.



Também com razões para celebrar está Rui Veloso que vinte anos depois vê reeditado “ Mingus & os Samurais “, um dos mais marcantes álbuns da sua carreira e sem dúvida um dos mais influentes da música portuguesa dos últimos 30 anos. Na versão 2010, remasterizada, ”Mingus...” traz um filme de um concerto no Coliseu de Lisboa em 1990. O apagar das velas fez-se com quatro noites nos Coliseus nacionais com Rui Veloso e os Samurais originais, a recriarem o platinado duplo álbum em palco.


Chama-se “You Make me Real”, versão inglesa de “ Contigo torno-me real”, livro à volta dos míticos The Doors, da autoria do português Rui Pedro Silva e que foi apresentado no passado mês de Novembro, na Universidade da California (UCLA), em Los Angeles. O livro, já premiado em 2008 no Festival  do Livro de Londres é um trabalho extenso e pormenorizado, que conta com participações entre outros,  de Ray Manzareck(teclista e co-fundador da banda), Robby Krieger (guitarrista)e também o baterista  John Densmore. ”You make me Real”, conta ainda com colaborações de Jerry Hoppkins e Danny Sugerman, biógrafos oficias dos Doors e autores do livro “ daqui Ninguém Sai Vivo “.



Rui Pedro Silva apresentou o livro no Royce Hall, local considerado mágico no interior da prestigiada Universidade, porque foi ali que por exemplo, o então jovem estudante de cinema Ray Manzareck apresentou as suas curtas-metragens a um público onde estavam entre outros, Jim Morrison e FrancisFord Coppola. Éneste auditório que se pode ler numa placa: aqui os The Doors deram os seus primeiros concertos. “You Make me Real” é para além de um excelente documento, um fantástico exemplo de dedicação do seu autor aos The Doors.Parabéns Rui Pedro!


Duas notas finais: os norte-americanos The Walkmem, que chamaram “Lisbon” ao novo álbum, escreveram no Twitter da banda que o espectáculo no Coliseu de Lisboa, (dia 14 de Novembro, 2010) terá sido com toda a certeza o melhor de sempre e a mais popular Rede-Social do Planeta, o FaceBook chegou ao número 600 milhões de perfis. É caso para dizer – We need To Talk!

Na expectativa – as cordas em vez dos sintetizadores, no novo álbum dos Daft Punk e a nova digressão de Amy Winehouse agendada para Janeiro de 2011


Por AJorje

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org