Avançar para o conteúdo principal

Opinião: Histórias recambolescas da Go Graal Blues Band



A Go Graal Blues Band  formou-se no final da década de 1970 e era um grupo que começou por tocar apenas Blues.

Foi uma das bandas por onde passaram mais músicos, já que não conseguia estabilizar a sua formação. Entre outros passaram por esta banda nomes como Paulo Gonzo, Mário Pereira, Hippo Birdie, João Melo, José Carlos Cordeiro, João Allain, António Ferro e Tó Andrade.Este último conta que houve uma série de episódios rocambolescos, relacionados com concertos da Go Graal Blues Band.

Entre esses episódios mais caricatos conta-se o que se passou quando o camião que transportava o material de som da banda ficou preso num túnel. O condutor do camião não teve a devida cautela e aventurou-se a atravessar o túnel. Como a altura do camião era a mesma do túnel, este ficou entalado e não andava, nem para a frente nem para trás. Demorou um bom bocado para conseguirem resolver a situação.

O camião transportava, também, o “backline” da banda, o que poderia fazer com que não houvesse tempo para tudo estar pronto na hora de iniciar o concerto. Alguém teve a ideia de carregar o camião com tudo o que puderam, para o mesmo se poder movimentar. Felizmente, o concerto não foi adiado.

Outro episódio, também deveras caricato, aconteceu perto de Coimbra, quando o concerto da Go Graal foi interrompido, já que um elemento da organização entrou em palco com uma travessa que continha um leitão assado, vinho tinto e um pacote de batatas fritas. Paulo Gonzo, que era o vocalista, só ouviu o senhor da organização pedir: “ Ó amigo, agora fazem um intervalinho, para eu leiloar estas coisinhas…”

Já em S. Jorge da Beira, no concelho da Covilhã, o problema era que o camião não conseguia encostar ao palco para se poder descarregar o material. Teve que se recorrer a diversos tractores agrícolas com reboque, para que o equipamento fosse montado no palco (imagine-se, portanto, o local onde o palco estaria instalado).

Houve também espectáculos interrompidos, em diversas localidades por onde a Go Graal passou, para que a procissão com a imagem da padroeira passasse junto ao palco.

Por Aristides Duarte

Para recordar:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…