Avançar para o conteúdo principal

Cream no Modo Classic Rock

 Link da imagem

Numa estação de comboios inglesa um poeta influenciado por drogas (talvez LSD) escreve frases aparentemente desconexas… No final, formam um belíssimo poema. White Room é a música que o recebe, e torna-se num dos maiores êxitos da super-banda inglesa conhecida pelo nome de Cream.

Texto de Maria Coutinho

Para quem viveu a fase psicadélica da década de 60 é impossível esquecer a banda onde Eric Clapton fazia as primeiras experiências de distorção da guitarra com o (agora) famoso pedal wah-wah. Além de Clapton, a banda era composta por Jack Bruce no baixo e voz, e Ginger Baker na bateria: todos reputados virtuosos nas respectivas especialidades.

White Room é um dos dos singles que integram o álbum Weels Of Fire, um marco na história desta banda, e até na história do rock, já que nunca antes uma álbum duplo tinha chegado à marca da platina pelas suas vendas. Lançado em 1968, consegue a proeza de chegar ao terceiro lugar na tabela britânica e ao primeiro da americana. Um feito extraordinário, sobretudo tendo em conta que também foi lançada uma edição separada dos dois discos: Wheels Of Fire In The Studio e Weels Of Fire Live at The Fillmore (mítica casa de espectáculos de San Francisco onde actuaram nomes tão importantes como Jimi Hendrix, The Doors ou Pink Floyd).

A letra da música é da autoria de Pete Brown, poeta britânico, que aqui fazia de letrista para as composições da banda. Os seus poemas, combinados com a música de múltiplas influências, do jazz ao rock psicadélico, resultam num movimento estético e musical - uma mistura de rock, blues e hard-rock - que constitui um embrião que mais tarde irá evoluir, dando origem ao rock progressivo e ao heavy metal.

O legado dos Cream com White Room é visível, por exemplo, nas muitas versões da música que o público pode conhecer: Stranglers, com uma perspectiva pós-punk, Helloweeen e Iron Butterfly num registo mais heavy ou Ringo Starr and The All Starr Band num enfoque mais clássico, são apenas alguns dos nomes que fizeram questão de partilhar connosco a sua interpretação deste clássico.

E não há dúvida quanto ao facto de este ser mesmo um clássico entre os clássicos: nenhuma crítica lhe ficou indiferente. Muito elogiado, embora alguns lhe apontem o dedo por esperarem algo radicalmente diferente dos anteriores trabalhos da banda, mencionando White Room como uma espécie de sucessor do tema Tales of Brave Ulysses. Tal não impediu, no entanto, a revista Rolling Stone de incluir Wheels Of Fire na lista dos 500 melhores álbuns de sempre, e o canal VH1 de classificar os Cream como a 16ª melhor banda de hard rock de sempre…

Razões de sobra para lembrarmos os enormes Cream, que bem mereciam ser melhor recordados e conhecidos pelas gerações mais jovens. Agora que já leu…. Não tem vontade de ouvir?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org