Avançar para o conteúdo principal

Luso Vintage

Uma visita ao percurso dos Tantra


 Link da imagem

No Luso Vintage desta semana recebemos os Tantra, grupo pioneiro no seu tempo , marcando uma década repleta de mudanças. O rock mais progressivo que trabalhavam permitiu  um lugar especial na história da música em língua de Camões. Hoje em visita no Som à Letra.


Texto de Carmen Gonçalves


Estávamos na época do pós 25 de Abril, em que a juventude portuguesa encontrava-se desperta para o que melhor da democracia podia trazer: liberdade de expressão. Os cantores de intervenção, outrora ouvidos clandestinamente, rodavam abertamente nas rádios, influenciando diversos projectos musicais que começavam a surgir.

As vivências actuais de uma nova realidade social serviam de pano de fundo para as canções da época. Contudo a aposta musical seria a mesma, assente num espírito mais interventivo e pouco inovador.
Até que em 1976, começou-se a ouvir falar de uma banda que aliava o rock mais progressivo a representações cénicas, quase teatrais, que arrastava multidões, claramente influenciada por  grupos internacionais, como os Genesis ou os Yes. O primeiro single editado ainda com a formação inicial, “Alquimia da Luz”, é prova disso mesmo.

Os Tantra vieram colmatar um vazio que existia no panorama nacional, conferindo ao rock uma via para expressar as ideias mais revolucionárias, à semelhança com o que acontecia na altura com a música popular ligeira.

Fundado por Manuel Cardoso (guitarrista) em conjunto com Armando Gama (pianista), o nome Tantra, surge devido à forte componente espiritual associada ao grupo, e sobretudo ao seu fundador. Mais tarde juntaram-se os restantes músicos, Américo Luís (no baixo), Rui Rosas (na bateria) e Firmino (na percussão).

Contudo esta formação viria a sofrer alterações, e só após a saída de Rosas e Firmino e entrada do baterista Tozé Almeida em 1977, é que é editado o primeiro LP “Mistérios e Maravilhas”, considerado hoje um clássico do rock progressivo, mesmo a nível internacional.

Mais tarde, Tony Moura juntou-se à restante formação para reforçar as vozes, numa dinâmica mais teatral que viria a ser apresentada ao vivo, com Manuel Cardoso a liderar as hostes, usando uma máscara em palco, representando um velho no tema “À Beira do Fim”.

Em 1978 os Tantra editaram o segundo álbum “Holocausto”, com Pedro Luís que ocupou o lugar de Armando Gama, mas foi com o terceiro disco “Humanoid Flesh”, de 1980, já com a entrada de Pedro Ayres Magalhães, que o rock progressivo deu lugar à New Wave, e o Inglês substituiu a língua de Camões.

Os Tantra viriam a pôr um fim à sua carreira em 1981. Tozé integrou os Heróis do Mar e Manuel Cardoso editou alguns temas a solo.. Contudo em 1995, o fundador da banda remasterizou o álbum ao vivo de 1977 “Live Ritual”, tendo despertado a vontade de recuperar a banda, o que veio a acontecer em 1998, sendo o único elemento da formação original. O resultado foi dois álbuns de originais, “Terra” de 2002 e “Delirium”, de 2005.

Os Tantra foram pioneiros do seu tempo, marcaram uma década repleta de mudanças e singraram com o seu rock mais progressivo, tendo influenciado gerações vindouras de bandas nacionais.

Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org