Avançar para o conteúdo principal

Luso Vintage

Uma visita ao percurso dos Tantra


 Link da imagem

No Luso Vintage desta semana recebemos os Tantra, grupo pioneiro no seu tempo , marcando uma década repleta de mudanças. O rock mais progressivo que trabalhavam permitiu  um lugar especial na história da música em língua de Camões. Hoje em visita no Som à Letra.


Texto de Carmen Gonçalves


Estávamos na época do pós 25 de Abril, em que a juventude portuguesa encontrava-se desperta para o que melhor da democracia podia trazer: liberdade de expressão. Os cantores de intervenção, outrora ouvidos clandestinamente, rodavam abertamente nas rádios, influenciando diversos projectos musicais que começavam a surgir.

As vivências actuais de uma nova realidade social serviam de pano de fundo para as canções da época. Contudo a aposta musical seria a mesma, assente num espírito mais interventivo e pouco inovador.
Até que em 1976, começou-se a ouvir falar de uma banda que aliava o rock mais progressivo a representações cénicas, quase teatrais, que arrastava multidões, claramente influenciada por  grupos internacionais, como os Genesis ou os Yes. O primeiro single editado ainda com a formação inicial, “Alquimia da Luz”, é prova disso mesmo.

Os Tantra vieram colmatar um vazio que existia no panorama nacional, conferindo ao rock uma via para expressar as ideias mais revolucionárias, à semelhança com o que acontecia na altura com a música popular ligeira.

Fundado por Manuel Cardoso (guitarrista) em conjunto com Armando Gama (pianista), o nome Tantra, surge devido à forte componente espiritual associada ao grupo, e sobretudo ao seu fundador. Mais tarde juntaram-se os restantes músicos, Américo Luís (no baixo), Rui Rosas (na bateria) e Firmino (na percussão).

Contudo esta formação viria a sofrer alterações, e só após a saída de Rosas e Firmino e entrada do baterista Tozé Almeida em 1977, é que é editado o primeiro LP “Mistérios e Maravilhas”, considerado hoje um clássico do rock progressivo, mesmo a nível internacional.

Mais tarde, Tony Moura juntou-se à restante formação para reforçar as vozes, numa dinâmica mais teatral que viria a ser apresentada ao vivo, com Manuel Cardoso a liderar as hostes, usando uma máscara em palco, representando um velho no tema “À Beira do Fim”.

Em 1978 os Tantra editaram o segundo álbum “Holocausto”, com Pedro Luís que ocupou o lugar de Armando Gama, mas foi com o terceiro disco “Humanoid Flesh”, de 1980, já com a entrada de Pedro Ayres Magalhães, que o rock progressivo deu lugar à New Wave, e o Inglês substituiu a língua de Camões.

Os Tantra viriam a pôr um fim à sua carreira em 1981. Tozé integrou os Heróis do Mar e Manuel Cardoso editou alguns temas a solo.. Contudo em 1995, o fundador da banda remasterizou o álbum ao vivo de 1977 “Live Ritual”, tendo despertado a vontade de recuperar a banda, o que veio a acontecer em 1998, sendo o único elemento da formação original. O resultado foi dois álbuns de originais, “Terra” de 2002 e “Delirium”, de 2005.

Os Tantra foram pioneiros do seu tempo, marcaram uma década repleta de mudanças e singraram com o seu rock mais progressivo, tendo influenciado gerações vindouras de bandas nacionais.

Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…