Avançar para o conteúdo principal

Linda Martini:Parte III

Linda Martini com “Casa Ocupada”




Com “Casa Ocupada” os Linda Martini regressam às origens,  onde, por coincidência (ou não) e embora querendo evitar qualquer comparação mais previsível com os “Sonic Youth” ou com os “Minor Threat”, nos presenteiam com uma “Juventude Sónica” e com uma “Ameaça Menor” (traduções literais dos nome daquelas bandas internacionais).

Texto de Paula Cavaco

Isto é o que nos salta mais à vista na primeira leitura da tracklist mas o novo álbum vai muito além destas duas notórias influências. Efectivamente, é quando se coloca o CD a “rolar” que se descobre (e bastam os primeiros 15 segundos da faixa “Mulher-A-Dias”, o primeiro tema do novo álbum), em que tipo de “viagem” sonora se está a embarcar!


 “Casa Ocupada” (título que roubaram de “uma casa de ‘ocupas’ que existia em Lisboa e onde se faziam vários concertos de hardcore”), constitui um longo trabalho de dois anos, que resulta, mais uma vez, em temas onde prevalecem as guitarras e a distorção. De destacar também os dois instrumentais “Elevador” e “S de Jessica”.

Com menos uma guitarra, com a saída de Sérgio Lemos, cresce a presença do vocalista (e guitarrista) André Henriques, em relação aos trabalhos anteriores. As letras voltam a ser compostas por frases breves, curtas e incisivas, algumas a várias vozes. Em termos de sonoridade, “Casa Ocupada” remete-nos para os primeiros tempos da vida dos Linda Martini mas com um som amadurecido.

O novo álbum é assim “um voltar atrás”, um retroceder ao passado, às experiências vivenciadas pelos membros dos Linda Martini na “Casa Ocupada” da Praça de Espanha, onde o espaço era preenchido unicamente pela sua música.

Os temas “Ameaça menor” e “Belarmino” (em referência ao documentário homónimo de Fernando Lopes sobre o pugilista português Belarmino Fragoso) foram os primeiros a surgir e deram o mote para o disco, que acaba por ser menos intimista que, por exemplo, “Marsupial”. Depois seguiu o terceiro single “Mulher-a-dias”.

Em termos de aceitação por parte do grande público, quatro semanas bastaram para que este novo trabalho tomasse de “assalto” o top de vendas e da mesma forma como, em 2006, fosse aclamado como “Disco Português 2010” pela revista Blitz.

Quanto a expectativas sobre o futuro, os membros dos Linda Martini são peremptórios em afirmar que esperam lançar o disco após o próximo Verão, fazer concertos, uns vídeos, umas entrevistas, umas viagens de carrinha ao fim de semana e ocupar a cabeça com coisas boas. Ou seja, continuar a serem eles próprios na sua melhor vivência do espírito punk!

Abrindo apetites:

Comentários

Belo texto. Só faltou dizer: "Adeus tristeza" temos um disco novo dos Linda Martini!

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…