Avançar para o conteúdo principal

Seinfeld na Máquina do Tempo

 link da imagem


A famosa “série sobre nada” continua a ser transmitida nas televisões em todo o mundo desde finais dos anos 80. Porquê?O que  fez com que ninguém ficasse indiferente a Seinfeld?


Texto de Miguel Ribeiro

Criada por dois comediantes ,Larry David e Jerry Seinfeld, esta série surgiu pela primeira vez no ar na NBC em 1989. Passada essencialmente no apartamento de Jerry (que interpretava uma versão ficionalizada dele próprio) esta envolvia também o seu “gangue”, protagonizado por  George Constanza (Jason Alexander), Elaine Benes (Julia Louis-Dreyfus) e Cosmo Kramer (Michael Richards).

 Na altura em que surgiu, Seinfeld apresentou inovações ao nível da narrativa ,que não se tinha ainda visto em sitcoms. Usualmente este tipo de séries apresentava uma família ,onde  em cada episódio existia um problema e estes tinham que  resolvê-lo, sempre com uma moral a ensinar , fazendo com que a audiência sinta algum tipo de empatia pelas personagens.

Em Seinfeld, esta “regra” não se cumpre. As estórias desenvolvem-se à volta de trivialidades diárias da vida , como esperar na fila para ver um filme; tomar um café e conversar ou reclamar das pequenas coisas e injustiças que aparecem no nosso percurso.

Se repararmos, a série em si tem uma visão muito negativista da vida (provavelmente culpa de Larry David, criador e personagem principal da série Curb Your Enthusiasm). As quatro personagens principais não têm ligações de parentesco, são todos adultos solteiros sem grandes morais, regra geral os episódios não envolviam finais felizes, a não ser que fossem à custa da miséria de outrém e nunca aprendiam nenhuma lição ou evoluiam por terem cometido erros.

Do que se sabe da série, é que não se queria que se criasse grandes ligações emocionais com as personagens, havendo até uma frase que diziam os criadores: “No hugging, no learning” (nada de abraços nem aprendizagem).

Todas as quatro personagens principais são egocêntricas e hostis a todos os que entram no seu pequeno círculo. Há sempre um ponto na série, em que uma personagem secundária que foi introduzida, irá desaparecer devido a algum sarilho em que George, Elaine, Kramer ou Jerry se tenham envolvido e não queiram dar o braço a torcer.

Mas talvez por isso é que se tornaram tão mágicas para nós, audiência. Vemos estas pessoas a seguirem o seu caminho, representando pequenas características que revemos em nós próprios e nos outros, normalmente sempre negativas como, mesquinhez, inveja, egocentrismo, desonestidade, futilidade, entre outras, mas que como está num pacote de comédia não deixamos de querer ver o próximo episódio e as peripécias em que se vão envolver.

 Será que George vai finalmente deixar de ser um falhado e alcançar sucesso? Será que Elaine vai finalmente encontrar o homem da vida dela? Qual será a próxima mesquinhez que Jerry apresentará para acabar com uma namorada? Como será a próxima entrada de Kramer em casa de Jerry? Nós sabemos sempre a resposta a estas perguntas, mas nem por isso deixamos de ver o episódio que segue.

Talvez por isso seja a série que há mais tempo é repetida na televisão norte-americana e essencialmente no resto do mundo. Nunca cansa ,porque representa uma faceta de nós mesmos. Aquele lado negro que nunca ninguém quer ver expresso, mas que ás vezes acontece, e que assim como na série, tem algum tipo de consequência (ver último episódio) tal e qual como acontece connosco na realidade.

Para recordar:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…