Avançar para o conteúdo principal

Editorial

"Solte-se e será muito mais do que jamais sonhou ser"
Janis Joplin

Não poderia estar mais de acordo com esta frase de Janis Joplin. Uma mulher que viveu nos extremos ao ritmo dos blues e da beat generation. O problema foi a ausência de limites nessa louca entrega à vida. Para trás fica a musica, o blues, a dedicação , a entrega e a juventude eternizada de Joplin na nossa memória. Tal como aconteceu com Jim Morrison e Jimi Hendrix.

Quarenta anos depois da sua morte ,Janis continua a inspirar muitos jovens e a colorir  um conjunto de momentos das nossas vidas. Ninguém pode negar a boa disposição de Mercedes Benz , ou a intensidade da icónica Piece of my heart. Cada música, uma parte de Janis. "Nunca fui capaz de controlar os meus sentimentos, mantê-los lá dentro. Antes, isso estragava a minha vida, sempre fui uma vítima de mim mesma. Fazia coisas erradas, fugia, ficava maluca. Agora faço esse sentimento trabalhar para mim, através da música, sem destruição", explicava a cantora. E com toda a razão. Os nossos ouvidos agradecem.

A edição do Som à Letra em Dezembro é dedicada a esta grande senhora. Vamos revisitar canções em particular e reflectir sobre o enorme contributo da cantora para a história da música. Ainda temos tempo de fazer uma visita a Andy Warhol (foto da semana), Zappa, Peter Gabriel (vídeo do mês) , assim como para a estreia da nossa agenda cultural (agora todos os meses na barra lateral direita do nosso ainda blogspot).

Mas as novidades do mês não terminam por aqui. Temos ainda tempo para andar "10000 anos depois entre Vénus e Marte" , ao comando de José Cid, num grande álbum em que o rock progressivo é o mestre. Estreamos o "Inovaluso", espaço dedicado aos talentos emergentes na língua de Camões , e continuamos a evoluir a nossa  versão em PDF. Temos um novo cronista, o radialista António Jorge , que a partir de agora todos os meses envia um mail para o Som à Letra sobre os acontecimentos marcantes na musica , com especial enfoque no som nacional.

Não esquecer a escolha dos álbuns e canções marcantes do ano, terminando 2010 com uma mudança de "casa", fase dois antes do nosso site. Muito trabalho pela frente, mas cada vez mais perto do desenlace.

Obrigada a todos por acreditarem no Som à Letra. É caso para dizer :"Caminante no hay camino, se hace camino al andar". E continuamos em 2011!


Irene Leite
Directora do Ciberjornal Som à Letra

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…