Avançar para o conteúdo principal

Cyndi Lauper no Modo Pop


Cyndi Lauper  está de regresso ao Modo Pop. De novo à magia dos anos 80: roupas,  ritmo, atitudes e personalidades. Mas desta vez num registo bem mais intimista.


Texto de Júlia Rocha

“I see your true colors shinning through”. Quão bem conhecemos as pessoas e quão bem deixamos que elas nos conheçam? A música True Colors, interpretada por Cyndi Lauper no seu álbum com o mesmo nome, foi um êxito tremendo, chegando ao número um da tabela Billboard. Trata-se do segundo álbum de estúdio de Lauper, lançado em 1986.

True Colors foi escrita por Tom Kelly e Billy Steinberg, autores de outros êxitos como Like a Virgin, de Madonna e Alone , das Heart. Steinberg escreveu esta canção para a sua mãe, mas Tom Kelly mudou-lhe o primeiro verso para o que hoje conhecemos.

Os letristas consideravam que a sua música podia ser cantada por qualquer pessoa, mas quando a apresentaram a Lauper, ela tornou-a sua. O refrão tem uma mensagem universal e única. Toca a todas as pessoas em determinados momentos da vida.

Apesar de esta ter sido a única faixa do álbum que Cyndi Lauper não escreveu, ou não ajudou a escrever, foi a que mais sucesso teve. Quando a música foi apresentada à cantora por Kelly e Steinbeck, foi cantada em estilo gospel, como Bridge Over Troubled Water de Simon & Garfunkel. Mas Lauper desfez esse arranjo mais tradicional e optou por personalizar a música.

Os autores ficaram bastante satisfeitos. Em várias alturas e entrevistas, Steinbeck afirma como ficou muito feliz pela maneira como Lauper diz o verso “Can’t remember when i last saw you laughing”. É como se fosse falado, não cantado. A música dirige-se exclusivamente à pessoa que a está a ouvir.

A letra fala-nos de conhecer uma pessoa, ver como ela é na realidade, conhecer as suas verdadeiras cores e pensamentos. Apesar de já estar bastante ouvida e representar parar muitos um cliché sem razão,  True Colors não é exclusivamente uma balada romântica. Adapta-se a diversas circuntâncias, o que era mesmo pretendido quando Steinbeck e Kelly a escreveram.

O toque de Cyndi Lauper na melodia está sempre presente. A cantora norte-americana desde sempre habituou o público à sua voz rouca e à aura vintage que hoje em dia rodeia a música. Apesar de já se terem feito outras versões de True Colors (por exemplo por Phil Collins), é a voz da jovem rebelde com que mais identificamos as “true colors shinning through”.

Para recordar:

Comentários

Anónimo disse…
sou fa do michael jackson mas tambem gosto muito da cyndi e das musicas dela!!adorei a participaçao dela na musica WE ARE THE WORLD fiquei feliz em saber que ela era super amiga do michael!!

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org