Avançar para o conteúdo principal

Chic na Dança do Som

Link da imagem


A Dança do Som desta semana recua três décadas para “let the good times roll”. Não, a visita não é dos Cars, mas a boleia é dos Chic, em modo Disco Sound.

Texto de Ana Luísa Silva


Good times, these are the good times

E assim começa a música que fez mexer e remexer corpos de adolescentes de todo o mundo. O movimento Disco estava na berra. Com ele vieram as calças à boca-de-sino, as camisolas justas e com mangas largas. Os cabelos grandes e cheios de brilhantina. O R&B. E através dele nasceu um mítico grupo musical.

Ponto de partida: 1979. Banda? Os Chic. Em 1978, o grupo lançou C’est Chic, que continha uma das mais conhecidas e famosas faixas da banda: “Le Freak”. O ano seguinte trouxe Risqué ao mundo e com ele “Good Times”, que acabou por ser considerada a música mais influenciável da época. 

A faixa de que lhe falamos hoje formou-se pela junção de “Grandmaster Flash’s” e “Sugarhill Gang’s” e além de ser a música que mais remisturas sofreu, serviu também de influência a outros grupos como os Queen, os Blondie ou os Daft Punk.

A música faz-nos olhar alegremente para o que foi a década Disco, para muitos gerações desconhecida ou pouco explorada. Contudo, nada de pesares…À letra…

Good times
Thes are the good times
Leave your cares behind


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…