Avançar para o conteúdo principal

Broken Social Scene – de Toronto para o mundo

Link da imagem

Experimentalismo, uma pitada de pop e uma dose de indie constituem os Broken Social Scene , grupo esta semana em modo pop. 

Texto de Susana Terra 

Os Broken Social Scene emergem na criativa cidade de Toronto, berço do movimento indie canadiano que agrega nomes como Death from Above 1979, Arcade Fire, Wolf Parade, entre outras. 

Formados em 1999 por Kevin Drew e Brendan Canning, a que se juntaram Leslie Feist, Evan Cranley, Andrew Whiteman e Justin Peroff, só em 2001 os Broken Social Scene editam o seu primeiro álbum – “Feel Good Lost”. Dois anos passados, durante a gravação do segundo disco “You Forgot It In People” (2003) a banda cresce (literalmente…) ao integrar mais seis elementos. 

Tendo adoptado esse formato de “big band”, com uma formação flutuante que por vezes ultrapassa a dezena de músicos em palco, os Broken Social Scene apresentam sonoridades latas – experimentalismo q.b., algum shoegaze, uma pitada de pop e uma boa dose indie e teremos a receita do sucesso da banda. Parte da receita assenta, claro está, na diversidade de artistas e participações de vários músicos oriundos de projectos como Feist, Pavement, Death from Above 1979, etc.

 Foi com "You Forgot It In People" que os Broken Social Scene conquistaram o Juno Award de Melhor Disco Alternativo do ano. Seguiu-se o álbum de estúdio homónimo em 2005, que consolida o papel e importância dos Broken Social Scene no panorama alternativo actual e só cinco anos mais tarde é gravado o seu sucessor "Forgiveness Rock Record" (2010), em jeito de pedido de desculpas formal aos fãs pelo prolongado interregno. Ainda assim, em 2007 e 2008 dois dos membros fundadores (Kevin Drew e Brendan Canning) lançam os seus álbuns a solo sob a égide "Broken Social Scene Presents...".

No passado mês de Novembro os Broken Social Scene estiveram em Lisboa e no Porto para apresentar o seu mais recente álbum de originais. E quem lá esteve em nada se arrependeu.

Abrindo apetites:


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org