Avançar para o conteúdo principal

Som ao Vivo

 Barclay James Harvest em concerto

Uma aula magna preenchida de amantes do rock progressivo aguardavam os Barclay James  Harvest para um concerto a 13 de Novembro que se esperava memorável,  mas que acabou por ser banal.



Texto de Gabriela Chagas 



img in : http://www.aulamagna.pt/files/images/barclay.james_.harvest.les_.holroyd_DSC_0304.preview.jpg
 
Uma noite de sábado agradável para receber a banda histórica, liderada por Les Holroyd,  que deveria trazer ao público português novas musicas mas também êxitos antigos.

        Esta versão dos Barclay (featuring Les Holroyd)  tocava pela primeira vez por cá e o concerto antecipou  um novo álbum, com os membros do grupo,  Les Holroyd, Mike Byron-Hehir, Colin Browne, Steve Butler e Louis Palmer.

       A outra versão liderada por John Lees (são as duas oficiais) esteve em 2009 na Aula Magna num concerto que esgotou.

A expectativa era alta, o concerto decorreu de forma razoável com uma boa execução musical,  ainda assim a voz do líder ficou aquém do esperado. Mas as desilusões não ficaram por aqui:  a interacção com o publico foi também fraca e  apenas conseguida nos dois encores quando a banda tocou antigos temas imediatamente reconhecidos pela plateia.

Os donos do tema tão conhecido da geração de 70  “Victims of Circumstance”  trouxeram à aula magna uma onda de revivalismo que se manteve durante duas horas de concerto sem grandes estados de alma.

Les Holroyd não incendiou um público de cabelos brancos , que em tempos de juventude terá com toda a certeza vibrado com estas músicas. A memória juvenil esteve naquela sala , mas apenas isso.

Fundada em Setembro de 1966 por John Lees, Les Holroyd, Mel Pritchard e Wooly Wolstenholme, esta banda de pop-rock progressivo tornou-se profissional um ano depois ao conseguir um contrato discográfico que permitiu o lançamento do primeiro single.

Os Barclay James Harvest foram grandes inovadores, inseridos no movimento “progressivo” dos anos 60 e 70, criando um estilo próprio, com canções num rock melódico, fundido com tendências clássicas.

Durante três décadas o grupo editou álbuns que atingiram os tops, entre os quais “Turn o the Tide”, “Victims of Circumstance” e “Ring of Change”.

Em 1980, foram os primeiros a atuar num festival ao ar livre na Europa, para uma audiência de 275 mil pessoas, nos degraus do Reichstag, em Berlim ocidental.

Depois da tourné em 1997, pela Alemanha e Suíça, a banda decidiu suspender a sua actividade. Contudo, em 1998 foi retomada a actividade da banda com duas versões, uma liderada por John Lees, que esteve em Portugal em 2009, e outra por Les Holroyd, que gravou em 2001 o álbum Revolution Gays.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…