Avançar para o conteúdo principal

The Raveonettes na "Dança do Som"


O frio que se tem feito sentir pelo país advém de uma onda gélida proveniente da Dinamarca que só os mais sabedores conseguem explicar. Ou isso, ou o facto de os Raveonettes continuarem a dar que falar. O Som à Letra não está indiferente, mas a música, garantimos, aquece.

Texto de Ana Luísa Silva

São dois. São dinamarqueses e são de sonho. Comummente comparados aos Everly Brothers o duo dos países nórdicos pouco se importa com isso e continua a fazer expandir a sua música, caracterizada por harmonias vocais sobrepostas pelos dois membros da banda.

Já passava um ano desde a entrada no novo milénio quando a dupla se encontrou em Copenhaga e começou a gravar “Whip It On”. Dotados de uma inteligência e capacidade de aprendizagem únicas que só os povos do Norte conseguem ter, realizaram todas as tarefas relacionadas com a área de produção. O duo contou  apenas com Manoj Ramdas e Jakob Hoyer para oferecerem os seus dotes de guitarra e bateria respectivamente.

 Chain Gang Of Love (2003) e Pretty In Black (2005) são os álbuns que se seguem ao de estreia, abrindo portas para o mais aclamado de todos os álbuns “raveonetteanos”: “Lust Lust Lust” lançado em 2007 e que envia Sune (ele) e Sharin (ela) para a ribalta e lhes dão todos os créditos que mereciam.

Mas se aquilo que o querido leitor gosta é de performances ao vivo cheias de pompa e circunstância, nada melhor do que dar um saltinho a Singapura já no dia 11 de Novembro e colocar-se a par de todos os instrumentos utilizados pela banda. Pois é. Estes meninos vindos do frio tratam-se bem e que o garantam a Fender, Gibson e Gretsche que os têm seguido ao vivo ajudando-os, através dos seus instrumentos musicais, a ganharem cada vez mais nome entre a camada indie-rock, noise pop e alternativa que ainda existe.

Oficialmente a banda foi descoberta pelo editor da revista Rolling Stone, David Fricke no SPOT Festival (que decorre na Dinamarca). Não oficialmente a banda descobriu que David Fricke se iria apresentar no SPOT Festival.

“Whip It On” foi nomeado como "Melhor Álbum Rock do Ano" no Danish Music Awards (Principal Prémio de Música da Dinamarca) no dia 1 de Março de 2003.
Em 2006 Blender nomeou Sharin Foo como uma das mulheres mais sexy, ao lado de Courtney Love, Joan Jett, e Liz Phair.

Abrindo a pista , que com este tema, nunca para uma "last dance":

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…