Avançar para o conteúdo principal

Money by The Pink Floyd no momento Classic Rock


Numa altura em que a crise é o centro das atenções, o Som à Letra não foge à regra e o Momento Classic Rock repesca do baú o inesquecível som das caixas registadoras em “Money”, dos Pink Floyd. Pensava que este tema era uma homenagem ao dinheiro? Experimente ler um pouco mais, e deixe-se surpreender….

Texto de Maria Coutinho

Na verdade, a letra da música aborda o lado negro do dinheiro - a ganância, a dependência, a injustiça social, o esbanjamento -  e há mesmo uma passagem que afirma “ o dinheiro, costuma dizer-se, é a raiz de todo o mal”. Ironicamente a banda lucrou fortunas com a edição, em 1973, do álbum “The Dark Side Of The Moon”, que tem fama de ser o terceiro mais vendido de sempre na história do rock.

Apesar de toda a banda ter contribuído - com um detalhe aqui, um solo mais além - e de a voz ser a de David Gilmour, Money é, essencialmente, uma obra de Roger Waters. Afinal, foi o baixista quem escreveu a letra e compôs o essencial da música, e nela toca uma das mais belas sequências de baixo que conhecemos.

Também foi Waters quem fez - literalmente - o “corte e costura” da bobine dos efeitos sonoros que torna o tema tão reconhecível a qualquer ouvido: o som da caixa registadora, as moedas a cair, as vozes de fundo… Tudo gravado, cortado e colado à mão por Waters na cabana do seu jardim, num estúdio improvisado; mais difícil ainda, fê-lo numa época em que ainda não havia computadores, samplers e outras tecnologias para ajudar a fazer a magia.

E por falar em magia, há quem defenda que há uma relação entre o álbum “The Dark Side Of The Moon” e o filme “O Feiticeiro de Oz”, que apresentam curiosas coincidências quando iniciados simultaneamente. Entre outros, e a exemplificar, quando Dorothy se aproxima do Homem da Lata para tentar escutar o seu coração, ouve-se, ao mesmo tempo, na música, um coração a bater. No caso de “Money”, ao ouvir-se a caixa registadora no inicio da música, o filme passa de preto e branco para cores, e Dorothy dá o primeiro passo da caminhada na estrada dos tijolos dourados…

Há quem se demore a discutir os aspectos técnicos do tema, a sua métrica rítmica inesperada, a gravação pioneira em 16 pistas nos estúdios da Abbey Road Reccords, pela mão do produtor Allan Parson… Tudo verdade, e de grande valor, mas nós gostamos mesmo é da mensagem, da inovação e da magia, presentes não só neste tema, mas em toda a obra dos mestres do Rock Progressivo dos Anos 70, os incomparáveis Pink Floyd.

Para recordar:

Comentários

Anónimo disse…
Adorei o texto, adorei perceber toda a magia que gira em torno deste tema dos Pink Floyd! Parabéns Maria Coutinho, adorei a sua abordagem e, principalmente a comparação com o filme "O Feiticeiro de Oz", muito perspicaz! Adorei, continue a escrever para nós...
BumpyRider disse…
Tudo verdade sim senhor! Uma grande música dos Pink Floyd e fácilmente reconhecível tanto melódicamente como líricamente. Parabéns pelo texto Maria Coutinho e obrigado por informar-nos a todos sobre os pequenos pormenores à volta desta música! Só não concordo com uma coisa :p e desculpa se estiver a dar a ideia de que estou a ser picuinhas, mas os Pink Floyd nunca foram os mestres do rock progressivo...nem nunca houve nenhuma banda que assim o fosse. Seguramente se formos a analisar do ponto de vista das vendas como grupo de rock, sim têm razão, MAS! Se formos a ver a nível de exploração musical, de quebrar barreiras quanto áquilo que era um dos maiores parâmetros do rock progressivo, ou seja, a experimentação, os tempos complexos usados por variadíssimos grupos, a fusão de estilos musicais, como grupos menos conhecidos fizeram como Gentle Giant, King Crimson, ELP, Yes, Van der Graff Generator entre outros (naturalmente ficaram menos conhecidos por não terem uma abordagem tão simples na composição, e por experimentarem mais, o que no panorama musical que se conhece é um passo errado para quem quer vender um álbum)se observármos através destes pontos vemos que não foram os mestres do rock progressivo. Foram e são uma banda espectacular de quem eu sou fã, e Dark Side of The Moon, é dos melhores álbuns que se pode ouvir, mas no que toca ao que eles faziam...ou seja...rock progressivo, os melhores álbuns deles serão definitivamente Atom Heart Mother,Wish You Were Here, Meddle e Animals. Se quiserem saber bons exemplos da exploração atingida por algumas bandas dos anos 70 sugiro Octopus dos Gentle Giant, Pawns Hearts dos Van der Graaf Generator e Lark's Tongues in Aspic e outro álbum de nome Red dos King Crimson. :)

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org