Avançar para o conteúdo principal

Modo Classic Rock

 img in feedbackonline.wordpress.com


Don’t Stand So Close To Me, by The Police

No Modo Classic Rock desta semana viajamos até aos anos 80 para ir de encontro ao polémico caso da aluna que se apaixona pelo seu professor… Só mesmo a polícia para narrá-lo em “Don’t Stand So Close To Me”…

Texto de Maria Coutinho


Escrito e composto pelo ex-professor Sting (que não se tem cansado de desmentir que a letra seja um registo auto-biográfico) o tema gerou polémica, já que nem todos entenderam que é a adolescente que assedia o professor, e não o contrário.

Talvez a referência a “Nikita”, o clássico da literatura do russo-americano Vladimir Nabokov, tenha contribuído para esta confusão. O livro trata da história da relação - demasiado intima - de um homem de meia-idade com uma rapariga adolescente…

Na verdade o refrão “don’t stand so close to me” - que podemos traduzir livremente por “afasta-te de mim!” - é um sofrido grito de socorro, cantado pelo professor assediado, aflito com a sua própria mistura de sentimentos de tentação, culpa e bom senso, personagem que no videoclip é intepretada pelo próprio Sting.

O tema foi editado no LP Zenyatta Mondatta em 1980, e foi o single que mais facturou nesse ano no Reino Unido, com 900.000 cópias vendidas. Além disso, ganhou um Grammy em 1981, e foi também a porta de entrada para a fama da banda nos E.U.A. onde, pela primeira vez, o trio inglês entrou no top 10 das tabelas da Billboard.

Houve, no entanto, uma outra polémica que se relacionou com este tema. Um Tribunal considerou que a participação de Sting na música “Money For Nothing” dos Dire Straits, teria ido além da voz, e que o vocalista dos The Police teria créditos na composição. O fundamento usado era o de que a frase “I want my MTV” seguia a mesma linha melódica de “don’t stand so close to me”.

A mim não me parece assim tão idêntico, embora reconheça semelhanças. Facto é que o nome de Sting passou a constar, como co-autor, na ficha técnica da música, ao lado do de Mark Knopfler. Um desafio: oiça, confira, compare, discuta…connosco.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org