Avançar para o conteúdo principal

Máquina do Tempo

O Piano

Um filme marcante com algo de estranho dentro



Amor é seguramente a palavra que perdura no seu enredo, mas violência também. Violência física e psicológica contra alguém que tem o dom de falar através da música e que por ela se sujeita a se subjugar. O PIANO, um drama dirigido pela neozelandesa Jane Campion.

Texto de Gabriela Chagas


Com uma banda sonora de arrepiar, este filme dos anos 90 retrata a sofrida trajectória de Ada McGrath, uma mulher que não fala desde os seis anos de idade.

 Mas o percurso sofrido de Ada não termina por aqui, pois o verdadeiro pesadelo só começa quando fixa residência na Nova Zelândia para casar com alguém que não conhece.

Com ela leva a música. O Piano é a sua bagagem, a sua voz e a sua obsessão. E sofre quando o deixam junto à praia na hora das mudanças.

O noivo Alisdair Stewart não percebe que é através do piano que a jovem comunica, não entende que ali está a sua alma e que por isso deixar este instrumento  é também desistir dela e perdê-la antes de a ter. E perdeu. Casaram,  mas ele nunca a teve.

Exerceu sobre ela uma violência psicológica, nunca cedendo ao seu pedido de recuperar a música, sempre a música.

Já George Baines (o administrador) interessa-se pela jovem e percebe que o piano é a chave para a conquistar. Contudo, nestes seus avanços também ele exerce uma espécie de violência emocional. Adquire o instrumento e promete devolvê-lo caso ela lhe ensine a tocá-lo.


Mas George Baines quer tudo menos aprender a tocar piano. Baines quer Ada e propõe-lhe isso mesmo, fazendo-a subjugar-se a essa vontade em troca de teclas do seu amado piano, sempre o piano. A sua alma.

Nesta mistura de desejo e violência escondida nasce o amor, e é nessa fase que Baines decide devolver o piano: “O piano faz de si uma prostituta e de mim um desgraçado. Eu quero que goste de mim mas você não consegue”.

Na verdade, ela já conseguiu, percebe isso e entrega-se.

O marido descobre e o filme leva-nos novamente para a violência, física e psicológica. Corta-lhe um dedo, parte-lhe o piano e destrói-lhe os sonhos.

Choca esta violência constante exercida sobre esta mulher, um espelho de muitas realidades ainda hoje, em pleno século XXI, presente na vida de tantas "Aidas".

Há uma mistura de sentimentos: Há amor dentro. Há ciúme, há raiva, há paixão, há desejo. Termina com a vitória do amor,  ou do que se parece , com a união de  Ada e Baines. O Piano é atirado ao mar e os dois partem para uma nova vida.

O Piano, com banda sonora de Michael Nyman, tem tudo o que um filme de drama precisa para ter sucesso. E este teve. É considerado um dos expoentes do cinema da década de 1990.

Ganhou vários prémios,  entre eles a Palma de Ouro do Festival de Cannes, em 1993, com destaque para a realizadora Jane Campion e para a actriz Holly Hunter, a grande protagonista que ao longo do filme tocou verdadeiramente O Piano.

Confira o trailer:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org