Avançar para o conteúdo principal

Luso Vintage

Pop Dell Arte em cena 

Url img :rockemPortugal

Os Pop Dell Arte são os convidados do Luso Vintage desta semana. Um grupo marcado pela diferença na atitude , mas sobretudo pela originalidade. Confiram, oiçam ... à Letra.


Texto de Ana Luísa Silva



Pop
(palavra inglesa)
s. f.
1. Conjunto variado de manifestações culturais que evidenciam a cultura popular.
2. O mesmo que pop music.
3. O mesmo que pop art.
adj. 2 gén. 2 núm.
adj. 2 gén. 2 núm.
4. Que é relativo à pop.
5. Que evidencia a cultura popular.

Arte
(latim ars, artis, maneira de ser ou agir, conduta, habilidade, ciência, talento, ofício)
s. f.
1. Preceitos para fazer ou dizer como é devido.
2. Livro de tais preceitos.
3. Fig. Modo; artifício.
4. Habilidade.
5. Manha, astúcia.
6. Técn. Aparelho de pesca.
7. Ofício.

A fusão dos dois sinónimos acima referidos ajudou à criação, em meados de 80, dos Pop Dell’Arte. João Peste (voz), Zé Pedro Moura (guitarra), Paulo Salgado (baixo) e Ondina Pires (voz e bateria) deram vida a uma das bandas mais originais que alguma vez apareceu ou aparecerá no universo lusitano.

Os anos 80 em Portugal estão marcados por bandas como GNR, Heróis do Mar, António Variações e Mão Morta. No entanto,  nenhuma conseguiu criar um universo único, atemporal, subversivo e com um cunho simultaneamente nacional e internacional como a banda de João Peste.

Formados em Campo de Ourique, os Pop Dell’ Arte gravam uma maqueta para concorrer ao concurso de música moderna do Rock Rendez-Vous. Tiveram a sua estreia em Março de 1985 no ISCTE no evento “Música, Moda e Pintura no ISCTE”.

A música do grupo, ainda que nunca seguindo os estereótipos da canção de intervenção (como os famosos manifestantes Homens da Luta, liderados por Jel) sempre assumiu contornos de pop de autor que, e sem apontar o dedo a ninguém, sempre conseguiu denunciar, o establishment musical e a sociedade que o consome.

A participação no Segundo Concurso de Música Moderna do Rock Rendez-Vous ajuda-os a conquistar o prémio de Originalidade e um irrecusável convite para a gravação de um single para a Dansa do Som. A editora escolheu alguns temas, mas os Pop Dell’ Arte não aceitaram tais condições. As canções seleccionadas não iam ajudar a passar a imagem que  pretendiam.

Depois de algumas modificações nos elementos do grupo, 1987 é o ano em que é editado o álbum "Free Pop" que contou com a participação de Adolfo Luxúria Canibal. Um ano depois dão na Aula Magna um dos concertos mais importantes da banda. 

"Illogik Plastik" é posto à venda em 1989, o mesmo ano em que o grupo decide por um ponto final no seu percurso , reunindo-se em 1991 para um concerto no Estádio de Alvalade.

Em 1993 é editado o álbum “Ready-Made” .Em Junho de 1995 é editado, através da Polygram, o álbum "Sex Symbol" que é bem recebido pela crítica especializada. O grupo na altura era constituído por João Peste (voz), Paulo Monteiro (guitarra), João Paulo Simões (guitarra), Pedro Alvim (baixo) e Luís San Payo (bateria).

Em Novembro de 1996 é apresentado no Coliseu dos Recreios o espectáculo "Filhos de Rimbaud" com a participação de João Peste, Sérgio Godinho, Jorge Palma e Rui Reininho. Em Fevereiro de 1999 são reeditados em CD, através da Música Alternativa, os álbuns "Free Pop" e "Arriba! Avanti!".

E em 2010 , quinze anos depois do último álbum de originais o grupo regressa  com “Contra Mundum”,  lançado no ano em que o grupo completa 25 anos de carreira.

João Peste participa em vários concertos do projecto Wordsong e colabora num dos temas incluídos na 2ª edição do disco de estreia dos Wordong. Está ainda a trabalhar no projecto de um livro, para a Objecto Cardíaco, que compilará letras de canções dos Pop Dell'Arte, Acidoxi Bordel ou mesmo de outros projectos. Poderá também incluir a história da sua carreira musical de não-músico.

Para recordar:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…