Avançar para o conteúdo principal

Lançamento

The Promise – o que não surgiu em “Darkness on The Edge of Town”

Bruce Springsteen lança agora o muito esperado “The Promisse (The Lost Session: Darkness On The Edge of Town)”. Nestes dois cd’s, são apresentadas 21 faixas nunca editadas, da altura das sessões de gravação do álbum “Darkness On the Edge of Town” de 1978, principalmente.


Texto de Júlia Rocha

Mas “The Promise” não se resume a um álbum de originais nunca lançados. Springsteen reedita músicas que escreveu para outros cantores na altura, como “Because The Night” que cedeu a Patty Smith, “Fire” e “Talk To Me”. Muitas horas de música nunca ouvidas antes, gravadas nos verdes anos do Boss são lançadas agora, um conjunto delas, gravadas com E-Street Band.

O que realmente está a encantar os fãs é a caixa “The Promise: The Darkness on The Edge of Town Story”, que para além de incluir os cd’s mencionados acima, inclui uma versão remasterizada de “Darkness On The edge of Town”. Mas não só. Ainda há espaço para um concerto em Nova Iorque de 2009, material vídeo de ensaios e a cereja no topo do bolo: o documentário que deu origem a este projecto: “The Promise: The Making of Darkness On The Edge of Town”.

Este documentário foi lançado nos Festivais de Cinema de Toronto, Roma e Londres, e também já passou no canal americano HBO. “Darkness on The Ege of Town” é um dos álbuns mais aclamados pela crítica e pelos fãs do cantor de New Jersey. Bruce diz que Darkness nasceu de uma grande lista de canções alegres.

Música de vários estilos, com várias problemáticas tratadas, mas que na altura, Bruce e a E Street Band decidiram não lançar, isto porque os temas não satisfaziam  ao que era pretendido.

O Boss apercebeu-se que vário material que tinha sido gravado nas famosas sessões precisava de ser trabalhado e que gostaria de lançá-las. A princípio pensava que eram três ou quatro faixas, mas na verdade era uma grande quantidade de material.

No entanto, e como já foi referido, algumas canções não foram terminadas na altura. Springsteen referiu num vídeo promocional de “The Promise” que com o passar dos anos ganhou uma nova perspectiva daquelas melodias e foi capaz de completá-las. Na altura de Darkness, Bruce estava ainda no início da sua carreira. Ainda não era conhecido pelo sucesso bombástico de “Born in The USA”.

 Para o Boss, este não é um conjunto aleatório de músicas, é um álbum completo. As canções datam de 1978 (sessions), 1998, 1999 e 2010. A título de curiosidade, Jon Landau, antigo manager de Springsteen toca bateria numa das faixas.

Depois do seu último grande sucesso em 2009 “Working On a Dream” e do single “The Wrestler” (que venceu o Globo de ouro de Melhor Canção), the Boss is back, better than ever!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org