Avançar para o conteúdo principal

Interpol em concerto no Campo Pequeno


Sem planos para hoje? Farto de estar em frente ao televisor? Não tem medo do frio e pretende encará-lo com a garra de um leão? Então dirija-se esta noite ao Campo Pequeno em Lisboa , porque vão estar por lá umas forças especiais capazes de por qualquer um KO. Senhoras e senhores: Interpol.

Texto de Ana Luísa Silva

Nova Iorque é o berço de muitas e variadas bandas rock alternativo que nos fazem voar com as suas sonoridades e letras fantásticas. Os Interpol não são excepção.

Os nova-iorquinos Banks, Dengler e Kessler conheceram-se em 1998 ainda eram jovens estudantes sem grandes perspectivas do que o futuro lhes aguardava. Nos primeiros meses, os Interpol apresentavam-se nos clubes da zona com um som que lembrava bandas britânicas da velha guarda, como os Joy Division.

Os meninos sonhavam alto e queriam assinar um contrato com alguma editora que, sem grande confiança nos estudantes, lhes viravam as costas. Mas como à terceira é de vez, a Matador Records decide abrir-lhes as portas , nascendo assim o primeiro álbum em 2002, “Turn on the Bright Lights”.

Engane-se o leitor se achar que os Interpol são uns trapalhões e que os temas com "factory spirit"  são feitos em cima do joelho e apenas por um dos membros da banda. É tudo bem democrático. Não fossem eles uns meninos bem comportados. Segundo os elementos, começasse pela música a partir de uma progressão de acordes apresentada pelo guitarrista Kessler. Mas a sonoridade vai sofrendo várias alterações de composição graças às intervenções do baixista e do baterista.Entretanto, o vocalista Banks esse trabalha as letras dos temas.

Várias dos temas do grupo expressam uma preocupação com o corpo, com as necessidades e as sensações físicas. Os seus versos são abertos a várias interpretações, que levam a um empenho intelectual dos ouvintes. Nesse processo, os Interpol têm feito composições com um ritmo de persistentes repetições e uma sonoridade fria e sombria. Nas letras escritas por Banks, alvo de críticas , que as consideram banais, o compositor usa vários recursos poéticos, tais como metáforas e comparações.

Assistimos à saída do baixista, Carlos Dengler. Contudo não é nada que interfira ou complique a vida dos Interpol. Ao que tudo parece, afirmam que um deles assumirá o baixo e o teclado no processo de composição das músicas para os próximos álbuns da banda.

Por isso já sabe. Em vez de se refastelar no sofá a olhar para o tecto ou a fazer festinhas no gato, agasalhe-se, dê um salto até ao Campo Pequeno,  e vá suar com os Interpol.

Abrindo apetites:

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…