Avançar para o conteúdo principal

Hurts em modo pop



img in: arjanwrites.com


No momento super pop desta semana temos garantida uma "Wonderful Life". O mote está lançado pelos Hurts. Nós conferimos, aprovamos, e  você?

Texto de Júlia Rocha

O Single "Wonderful Life" foi lançado este ano, tendo sido bastante aclamado na Dinamarca, Suíça e Áustria, onde o duo se tem destacado.

Theo Hutchcraft e Adam Anderson dão a voz e vida ao grupo,  com raízes em  Manchester. A tour de 2009 chegou mesmo a esgotar e os Hurt acompanham este ano os Scissor sisters na sua digressão.
Os Hurt começaram a sua carreira em 2009 e aos poucos têm conquistado terreno na Europa.  Antes de “Wonderful Life”, foi lançado “Better Than Love”, o primeiro single deste álbum de estreia. 

“Wonderful Life” fala-nos de amor e morte. Um homem à beira do suicídio é impedido por uma mulher de se lançar de uma ponte. A mulher convence o homem a vir com ela dizendo-lhe “don’t let go/ never give up/it’s such a wonderful life” (não deixe ir [vida], nunca desista , a vida é bela). Estas duas pessoas apaixonam-se e é esta história de amor que a música nos vai narrando.

A sonoridade dos Hurts é bastante peculiar e transmite-nos não só para o seu estilo, o pop sintetizado, mas também para um registo que se encaixaria na perfeição nos anos 80. Transmite-nos um ritmo, mas não é propriamente uma música com o único objectivo de ser mais uma descarga pop. Tem uma mensagem.

O vídeo é simples: preto e branco, o vocalista Theo ,  intercalado com  uma mulher, que ora está parada, ora dança.

A canção  sofreu um remix por Arthur Baker, um reconhecido produtor e DJ norte-americano.  


O grupo vai passar pelo Hard Club, no Porto , em Fevereiro de 2011. 

Até lá: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…