Avançar para o conteúdo principal

Espaço "Rock em Portugal"


 Uma cena de pugilato antes do Concerto


Os Ópera Nova foram uma das poucas bandas portuguesas que se poderão incluir na categoria de neo-românticos, influenciados por bandas inglesas como os Spandau Ballet ou os Duran Duran. Gravaram um máxi-single e um single. 

Luís Beethoven foi o vocalista dessa banda, da qual alguns membros se juntaram a outros dos Popeline Beije e formaram os Fantásticos Abridões da Selva, uma banda com um som bastante inovador e que fez algum furor em concertos no Rock Rendez Vous, em Lisboa.

Antes de surgirem os Ópera Nova, Luís Beethoven pertencia ao grupo Press.
Os Press tinham um concerto organizado pelo Projecto Vida, juntamente com os Street Kids e os Trovante.

O jornalista musical João Gobern (do semanário “Se7e”) encontrava-se no camarim, junto com os membros das bandas, quando surgiu Flash Gordon (Emanuel Ramalho) dos Street Kids e começou a discutir com ele, talvez por alguma crítica que não gostou de ler no semanário.

Os dois envolveram-se numa cena de pugilato, com o concerto dos Press quase a iniciar-se.
O Nuno Canavarro (dos Street Kids) saiu para um lugar mais calmo, enquanto a cena decorria. O Nuno Rebelo (também dos Street Kids) tentava acalmar as hostes, enquanto o Rui Fadigas (futuro baixista dos Delfins) não ligava patavina e abria mais uma cerveja.

O delegado do Projecto Vida colocou-se em cima de uma mesa e, como estava todo vestido de branco, parecia um anjo a gritar Paz, Paz, Paz.

Passado pouco tempo entra o apresentador do concerto a dizer: Press, depressa para o palco. Estão 3.000 pessoas a aguardar-vos. 

Foi o primeiro concerto dos Press que não começou, realmente, nada bem, nos bastidores.
Em termos de espectáculo foi um sucesso.
Luís Beethoven pertence, actualmente, ao projecto No Data, juntamente com Carlos Maria Trindade (ex- Madredeus).

 
Aristides Duarte

 Para recordar: 

Comentários

Anónimo disse…
Interessante

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org