Avançar para o conteúdo principal

Espaço "The Indies"

Electropop Vs Electrorock


 Ultravox

No início dos anos 80 dois álbuns distinguiram-se no panorama musical da New Wave,  sendo ambos considerados obras de referência daquele período. E porquê? Estado a sonoridade pop/rock claramente sujeita à ditadura dos sintetizadores, “Dare!“ dos The Human League era o melhor exemplo da electrónica a dar forma à música pop, enquanto “Vienna“ dos Ultravox, o mesmo conceito,  mas em formado rock.

Texto de Bruno Vieira

“Vienna“ de 1980 era o quarto disco dos Ultravox e o primeiro da era Midge Ure, enquanto que “Dare!“ era o terceiro dos The Human League e o primeiro em que participam Susanne Sulley e Joanne Catherall. Estes dois aspectos podem ter passado despercebidos à maioria das pessoas, mas acabariam por ser determinantes para o futuro das bandas, na medida em que foram os primeiros a conhecer um assinalável sucesso comercial e pelos quais os Ultravox e os The Human League são hoje conhecidos.

É claro que para um seguidor dos Ultravox da era John Foxx esta não é uma verdade muito conveniente, mas factos são factos, e a realidade é que os Ulltravox só ficariam verdadeiramente conhecidos do grande público com a entrada de Midge Ure. Quanto aos The Human League a questão é mais pacífica na medida em que Philip Oakey foi desde o início, em 1977, vocalista da banda.

Como já referi, as raparigas entraram a tempo de ser editado a obra-prima que foi “Dare!“. Até aqui a banda tinha tido apenas um relativo sucesso com o single “Empire State Human“ do álbum “Reproduction“ de 1979, e pouco mais. Embora o sucesso dos The Human League não se deva única e exclusivamente à entrada de Susanne e Joanne, a sua chegada acabaria por marcar a imagem do grupo, com as vozes femininas a adquirirem grande protagonismo.

Para melhor medir o sucesso de “Dare!“ e “Vienna“ teremos de recorrer à tabela de vendas britânica. Mais como termo de comparação do que como objectivo de eleger o melhor álbum, os números são os seguintes:

ÁLBUM – Posição mais elevada (total de semanas)
DARE! – 1º (72)

Singles – Posição mais elevada (total de semanas)
The Sound of the Crowd – 12º (10)
Love Action (I Believe In Love) – 3º (13)
Open Your Heart – 6º (9)
Don`t You Want Me – 1º (13)

ÁLBUM – Posição mais elevada (total de semanas)
VIENNA – 3º (72)

Singles – Posição mais elevada (total de semanas)
Sleepwalk – 29º (11)
Passing Strangers – 57º (4)
Vienna – 2º (14)
All Stood Still – 8º (10)

E agora, uma pequena viagem aos oitentas:



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…