Avançar para o conteúdo principal

Editorial -Novembro

“Caminante no hay camino, se hace camino al andar”. Esta é uma das minhas frases de eleição. 

Talvez porque transmite completamente o avanço do projecto Som à Letra. 

Há precisamente um ano andava a publicar notícias diariamente, prestes a criar o facebook para o projecto. Nem pensava que dali a uns meses, o ciberjornal já teria publico fiel, equipa, juntamente com as primeiras experiências gráficas. 

A evolução tem sido grande e contínua, sempre com os feedbacks do leitor, o nosso grande protagonista. 

Neste contexto torna-se ainda mais pertinente entrar numa nova fase, mais coesa, com direito a editorial, artigo de fundo e ainda um programa de rádio. 

Neste mês os grandes protagonistas são os Pink Floyd , grupo que vai passando de geração em geração, que nunca passou de moda , sendo um ópio saudável e eterno. 

Será que com o nosso ciberjornal o ópio será para sempre? Esperamos que sim!

Comentários

Tecido Humano disse…
as vezes , so de pensar em meia duzia de perfis decentes no facebook (de/com musica... e no perfil do SaL... claro) fico com vontade de lá voltar ... mas depois chego há conclusão que social networks não faz o meu genero

keep on rockin for a free world
Irene Leite disse…
Boa noite,

Agradecemos o feedback. Compreendemos a sua posição. Ainda assim, sempre pode acompanhar o Som À letra pelo nosso (ainda) blogspot.

Saudações musicais,

Irene Leite

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…