Avançar para o conteúdo principal

Dá que pensar...

Sobre a Natureza das Letras

Texto de Luís Vendeirinho


    As Letras são generosas, atentas à nossa sede de evasão, disponíveis em todo o espaço da nossa habitação, permanentes, desde a manhã em que nos insinuamos perante o mundo até que dele nos despedimos para esse destino de que elas nos aliviam, como nos aliviam das certezas e do tédio.

    As Letras são a forma sincera dos nossos segredos, encorajam-nos na adversidade, jorram impetuosas com a nossa indignação, aplacam-nos a ira quando lhes descobrimos a virtude de sonharmos através delas, são sábias se precisamos de um conselho, ingénuas, maliciosas, exactas, imprudentes, misteriosas, complicadas, melancólicas e imensas, raras, indisciplinadas e organizadas ao mesmo tempo, bastantes perante a nossa maior exigência, tão insistentemente insuficientes quando se trata de as definirmos como quando queremos explicar o sentido da vida. São a sonoridade interior da nossa essência.

    As Letras são uma certidão de vida, são a expressão simultânea das dúvidas e das afirmações como nos colocamos perante a vida. As Letras, antes de tudo o mais, são uma negação da impotência, do silêncio e da censura que elas subscrevem e justificam, são a própria liberdade e fraternidade, universais, velhas, tão velhas como promissoras de um devir imenso.

    As Letras são uma fronteira invisível, são uma oportunidade de escolha revestindo o belo e o feio, o compreensível e os equívocos, o trivial e o original da mesma e permanente capa. As Letras são um caminho inevitável, uma decisão antes que decidamos, como são todos os caminhos e a arbitrariedade dos mais simples gestos e das maiores aventuras. São a nossa conquista que não se esgota.

    As Letras são todos os projectos e as realizações, inesgotáveis, venturosas, primeiras e derradeiras a inscreverem-se nas artes, nas ciências e no olhar, como sejam a luz em si mesma e a definição das cores.

    As Letras são a conclusão, infinita, matemática e inesquecível de toda a nossa sensibilidade e de todo o nosso pensamento, sempre e em todo o espaço em que estejamos ou possamos, por absurdo, não estar.

    As Letras têm a sua vida própria, a nossa, a dos objectos e a de quanto se acoberta da nossa compreensão. São elas que nos darão as respostas e nos permitem dizer.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org