Avançar para o conteúdo principal

Dá que pensar...

Infãncia
 

    Texto de Luís Vendeirinho

Descem pelos lábios agarradas ao nome das coisas, as palavras. Como a tinta de uma tela, a conquista presa ao mastro da caravela, a areia fina que se esvai entre os dedos como pavio ardendo na coroa de uma vela. Dadas ao vento, à brisa, no imprevisto de um momento arrastam consigo a força do vendaval. Na transparência de uma fonte, da nascente, súbitas se fazem turvas em enxurrada. Preces, sentenças, abraços de promessas apertados em vã concórdia, a sua ausência é o mundo que fenece, agonia rasgada num fim de dia, doçura misteriosa apenas chamada de melancolia. Impotentes e tentadoras, envolvem os sentidos como o cetim em que escorrega todo o prazer e, diga o coração o que disser, inundam de emoção presas num grito e num gemer. Descem pelos lábios livres e simples, as palavras. E o silêncio, se adormecem, amarra ao cais nossa aventura, sopra na chama do fervor inesperado, e toda a eloquência se transfigura do brado no desalento. Por enquanto, são as palavras que não entendo, e as que em minha ingenuidade dizem muito do que pretendo, que voam bailando sobre quem amo e inspiram irrequietas de letras dadas à sorte do desengano.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org