Avançar para o conteúdo principal

Concerto

The Walkmen no Coliseu de Lisboa



Esta noite os nova-iorquinos The Walkmen vão apresentar o seu sexto álbum de originais, “Lisbon”, precisamente na cidade que lhe deu o nome – Lisboa.

Texto de Susana Terra

Os The Walkmen contam já com 10 anos de existência e os seus membros - Hamilton Leithauser (vocais, guitarra), Paul Maroon (guitarra, piano), Walter Martin (órgão, baixo), Peter Bauer (baixo, órgão) e Matt Barrick (bateria) – são originários de Washington DC, das extintas bandas “Jonathan Fire*Eater” e “The Recoys”.

A crítica rotula a sonoridade do grupo como indie, mas esta é uma categoria que tem sido demasiadas vezes aplicada a um leque excessivamente abrangente e variado que poucas vezes apresenta traços comuns, sobretudo na actual e próspera cena musical de Nova-Iorque. Este será o caso dos The Walkmen, cuja sonoridade inovadora, no sentido da recuperação de elementos “retro” e do experimentalismo, como a gravação com equipamentos analógicos ou o tilintar dos teclados de pianos clássicos, escapa a qualquer rótulo ou catalogação redutora.

A escolha da cidade de Lisboa enquanto nome para o álbum lançado este ano não é inocente. Numa recente entrevista, Peter Bauer afirmou que nas duas anteriores passagens pela capital, a banda ficou deslumbrada ao deambular pelas ruas da cidade, que dizem ser misteriosa e portadora de um sentimento de estranheza, de algo que se sente que está para acontecer e que condiz com o seu último álbum.

Na sequência do obscuro “You and Me”, editado em 2008, “Lisbon” é a face clara e limpa dos The Walkmen, que primaram pela simplicidade neste último trabalho, tal como a luminosidade de Lisboa.

Será, sem qualquer sombra de dúvida, um grande desafio à banda apresentar o álbum “Lisbon” ao público lisboeta (e não só…). Temos pois a oportunidade única de “ouvir Lisboa” segundo a percepção de uma grande banda ainda excessivamente underated quando comparada com outros nomes sonantes de NYC (Interpol, The Strokes, etc.).

Um concerto a não perder esta noite.

E o Coliseu ouvirá Lisboa.

 Abrindo apetites:


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org