Avançar para o conteúdo principal

Blondie na "Dança do Som"

Preparem os glitters, as luzes psicadélicas, o lipgloss, os lamés e deixem-se envolver pelo ambiente glamoroso do Disco Sound . A viagem é garantida pela  voz doce e sensual da poderosa Debbie Harry,  ao som do “must” das pistas de dança: “Heart Of Glass”


Texto de Patrícia Rodrigues



Ninguém esperaria que os Blondie, uma banda americana dos anos 70 , pioneira nos EUA do punk e do new-wave, surgissem em 1978 com este tema. Trata-se de  uma remasterização do original “Once I had a love”, que também ficou literalmente conhecido como “The Disco Song”,  na demo de 1978.

Mas não pensem que tal denominação descarada se deve a algum tipo de presunção ou arrogância por parte da banda. O tom é certamente irónico e jocoso,  tal qual a concepção desta versão tão apelativa para as  massas e tão decepcionante para os fãs do grupo.

 A canção foi composta por Debbie e Chris Stein , com a ajuda do sintetizador de Jimmy Destri no seu desmazelado apartamento em Nova Iorque.  Heart of Glass não foi mais que  um acto de rebeldia contra o que era “in” no momento. O resultado do trabalho foi algo totalmente inesperado , como unir o punk/ new wave ao disco.

Desconcertante, não? E se uma experiência, tão criticada por muitos, resulta em ser o número um nos EUA e no Reino Unido , projectando o grupo para o nível do estrelato não a faz de todo uma aventura falhada.

Mas não julguem o talento da nossa “Blondie” apenas com base neste registo. Também não reduzam a icónica Debbie ao estigma das loiras, pois esta senhora não adormeceu à sombra da sua beleza,  que lhe poderia ter conferido o estatuto de “sex symbol”, algo hoje tão em voga.

Ela continua a dar um talentoso e multifacetado contributo, tendo-se tornado um ícone para as vocalistas femininas da cena musical alternativa , ao conciliar a irreverência com a sua feminilidade voluptuosa.

Um conselho:Façam uma pequena viagem à sua discografia e (re-) descubram os “Blondie”. Não se arrependerão…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…