Avançar para o conteúdo principal

Blondie na "Dança do Som"

Preparem os glitters, as luzes psicadélicas, o lipgloss, os lamés e deixem-se envolver pelo ambiente glamoroso do Disco Sound . A viagem é garantida pela  voz doce e sensual da poderosa Debbie Harry,  ao som do “must” das pistas de dança: “Heart Of Glass”


Texto de Patrícia Rodrigues



Ninguém esperaria que os Blondie, uma banda americana dos anos 70 , pioneira nos EUA do punk e do new-wave, surgissem em 1978 com este tema. Trata-se de  uma remasterização do original “Once I had a love”, que também ficou literalmente conhecido como “The Disco Song”,  na demo de 1978.

Mas não pensem que tal denominação descarada se deve a algum tipo de presunção ou arrogância por parte da banda. O tom é certamente irónico e jocoso,  tal qual a concepção desta versão tão apelativa para as  massas e tão decepcionante para os fãs do grupo.

 A canção foi composta por Debbie e Chris Stein , com a ajuda do sintetizador de Jimmy Destri no seu desmazelado apartamento em Nova Iorque.  Heart of Glass não foi mais que  um acto de rebeldia contra o que era “in” no momento. O resultado do trabalho foi algo totalmente inesperado , como unir o punk/ new wave ao disco.

Desconcertante, não? E se uma experiência, tão criticada por muitos, resulta em ser o número um nos EUA e no Reino Unido , projectando o grupo para o nível do estrelato não a faz de todo uma aventura falhada.

Mas não julguem o talento da nossa “Blondie” apenas com base neste registo. Também não reduzam a icónica Debbie ao estigma das loiras, pois esta senhora não adormeceu à sombra da sua beleza,  que lhe poderia ter conferido o estatuto de “sex symbol”, algo hoje tão em voga.

Ela continua a dar um talentoso e multifacetado contributo, tendo-se tornado um ícone para as vocalistas femininas da cena musical alternativa , ao conciliar a irreverência com a sua feminilidade voluptuosa.

Um conselho:Façam uma pequena viagem à sua discografia e (re-) descubram os “Blondie”. Não se arrependerão…

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org