Avançar para o conteúdo principal

O DINHEIRO QUE CHEIRAVA A FLÚOR


 Capa do LP "Regresso às Origens" dos Ananga Ranga (1979)


Os Ananga-Ranga foram um dos grupos mais importantes do Rock português da década de 1970.
Gravaram dois singles e dois álbuns e percorreram o país em concertos, que aconteciam, normalmente, nas Festas de Finalistas dos Liceus.
Para além disso, a banda actuava para as comunidades de emigrantes nos Estados Unidos.
Em Portugal, no final da década de 1970, existia uma limitação ao transporte de quantias individuais de dinheiro estrangeiro, nomeadamente dólares, (para cima do equivalente a 100 euros, actualmente) para o estrangeiro.
Os instrumentos musicais em Portugal eram considerados como artigos de luxo, sendo taxados com impostos bastante altos, pelo que se os músicos conseguissem adquirir os instrumentos no estrangeiro poupariam bastante dinheiro.
Os Ananga-Ranga aproveitavam, portanto, as deslocações aos Estados Unidos para adquirirem material (guitarras e amplificadores, nomeadamente) muito mais barato.
Como é que eles fugiam à tal proibição de levar divisas para o estrangeiro?
Segundo conta Manuel Barreto (o teclista da banda) o dinheiro era transportado nas pastas de dentes e tinha de ir “enroladinho”. Chegados ao destino, havia um estendal de notas a secar, porque era necessário lavá-las! Tresandavam a flúor!   A cara dos empregados das lojas a contarem o dinheirinho com cheiro a flúor era de espanto!
O que é certo é que lá conseguiram concretizar o sonho de terem o amplificador tal ou a guitarra com que sonhavam, por um preço razoável.
Também fizeram ida e volta a Londres numa carrinha Mercedes, que não andava a mais de 50 km à hora, para trazer um PA que não tinha mais de 2000 Watts, mas era o possível.

João Aristides Duarte

Para recordar: 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org