Avançar para o conteúdo principal

The Indies: "O estado da música nos anos 2000"

 The White Stripes

Recentemente li numa conhecida revista que os anos 2000 não tinham servido para nada no que respeita à música. Não poderia estar mais em desacordo na medida em que, com maior ou menor reconhecimento, cada década teve a sua história e o enquadramento próprio face às décadas anteriores e seguintes.

Na minha opinião o sentimento de desvalorização relativamente a algo está muito dependente da apreciação que cada um faz, e a música não é excepção. O facto de, por algum motivo, não nos identificarmos com uma determinada tendência leva-nos a uma análise parcial e redutora quando comparado com algo que realmente gostamos.

É frequente ouvir dizer que já não há bandas como antigamente, que já não há clássicos, que já não há isto ou que já não há aquilo. À excepção da geração actual que tem vivido os anos 2000 e que se tem mantido atenda ao estabelecimento de importantes bandas como os Muse, White Stripes, Libertines ou os The Strokes, são raros os exemplos de pessoas doutras gerações que estão familiarizados com estes nomes, inclusive a geração anterior, na qual me incluo.

Os anos 2000 musicais são, de um modo geral, incompreendidos e mal amados, mas sempre pelos motivos errados e devido essencialmente ao desconhecimento pela falta de divulgação dos novos nomes da música. Estes são sempre comparados, em perda, relativamente aos das décadas anteriores.

É mais ou menos como comparar o Maradona ao Eusébio, ou este em relação ao Cristiano Ronaldo, são comparações impossíveis, ou seja, cada um no seu tempo e enquadramento específico. Como é que é possível afirmar que hoje em dia não há artistas como dantes, quando a maioria das pessoas nem sequer os conhece? Refiro-me obviamente aos artistas fora do âmbito mais comercial.

Quanto muito, estes apenas conseguem tornar-se conhecidos do grande público quando já se tornaram tão comerciais ao ponto da maioria das rádios não ter receio em arriscar passar a sua música, como por exemplo os The Killers.

As especificidades da última década marcada por uma divulgação musical tendenciosa e pelo desapego do público em consumir música de forma legal (devido à generalização da pirataria), levou muitos dos consumidores (compradores) de música até aos anos 90, a encarar a mesma de forma descartável nos 2000s.

Piratear, usar e deitar fora é a palavra de ordem. Ao invés de servirem a música, a maioria da pessoas serve-se da música e isto não tem nada a ver com o menor talento dos artistas actuais, como muitas vezes se ouve, antes com a falta de divulgação das rádios que consequentemente levam a maioria das pessoas ao desconhecimento da realidade.


Mas nem tudo é negativo, e no meio de uma indústria musical decadente sobrou espaço para a música ao vivo. É certo que concertos e festivais não são propriamente uma novidade mas, nos últimos anos, têm vindo a ganhar terreno face às cada vez mais irrelevantes vendas de discos.

No meio de mortos e feridos a música ao vivo foi a sobrevivente, com boas perspectivas para assim se manter nas próximas décadas, e ainda bem porque, se esta tivesse batido no fundo como as vendas de discos ou o duvidoso critério das playlists da maioria das rádios, aí estaríamos irremediavelmente condenados à total ignorância.

A música ao vivo com a variada oferta de concertos e festivais, acabou por tornar-se num símbolo de liberdade principalmente por quem anseia descobrir novas sonoridades no meio do marasmo da divulgação musical em Portugal.

O público, em vez de se contentar apenas com o que lhe é imposto, em que a música é servida como se de fast-food se tratasse, tem desta forma uma oportunidade de partir à descoberta de outras realidades. No meio de tantas portas fechadas, a música ao vivo parece ser a única forma de rumar contra a corrente.

Bruno Vieira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Go Graal Blues Band no "Luso Vintage"

Hoje em dia fazer música na língua de Shakespeare é tarefa fácil, mas o mesmo não acontecia em 1975, quando Portugal enquanto democracia acabava de nascer, quando ainda vigoravam valores nacionais como os três grandes F’s (Fado, Fútebol, Fátima).

Texto de Patrícia Rodrigues
Foi neste cenário marcado pelo obscurantismo cultural e desconfiança do estranho que surgiram os “Go Graal Blues Band”. O grupo marcou pela musicalidade contagiante e uma alegria e optimismo próprios da cultura americana, que se definia cada vez mais como um estilo próprio de vida.
E foi assim que, após um nascimento atribulado, um grupo de rapazes na casa dos vinte decidiu reunir-se para tocar e cantar Blues, sendo eles: Paulo Gonzo (voz e harmónica), João Allain (guitarra solo), Raúl Barrigas dos Anjos (bateria), Augusto Mayer (harmónica), António Ferro (baixo), João Esteves (guitarra) e José Carlos Cordeiro (voz principal).
Apesar do curto percurso de oito anos e várias mudanças no seu line-up, a banda…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org