Avançar para o conteúdo principal

Apresentação do novo cronista do Som à Letra


Chama-se Bruno Gonçalo Vieira e é o novo cronista do Som à Letra, que a partir de agora tem encontro marcado connosco todas as sextas-feiras,  para o novo espaço de opinião , "The Indies".

É licenciado na área das Relações Internacionais , trazendo na bagagem uma abrangente experiência profissional na área comercial. "O interesse pela música foi sempre paralelo ao meu percurso profissional, mas sempre vivido muito intensamente mesmo para quem nunca a encarou como uma verdadeira profissão", explicou Bruno.

"O que fui fazendo de forma a sentir-me perto da música foi manter-me, dentro dos possíveis, ligado a algumas actividades como passar música em bares, coisa que fiz com regularidade entre 2004 e 2007 ou trabalhar em part-time numa loja que importava discos, nos tempos de estudante entre 1998 e 2001".

No que diz respeito a estilos musicais , "gosto um pouco de tudo (em especial o período entre final dos anos 70 e meados dos anos 80, ou seja, a New Wave), se bem que nos últimos tempos tenho vindo a interessar-me mais por música alternativa. Não é propriamente um alternativo puro e duro, gosto sim do alternativo acessível e quase no limiar do comercial", remata.  Essa tendência materializou-se na página do facebook "The Indies".

Mas de que trata a página "The Indies" em concreto?...


"Pretendo com esta [página] desmistificar o termo alternativo, principalmente em Portugal, tornando-o mais acessível do público em geral, à semelhança do que se passa no Reino Unido. Nesta fase inicial do “The Indies” não tenho a pretensão de falar de tudo ou de estar sempre em cima de todos os acontecimentos musicais. Prefiro antes apresentar, de uma forma informal e em função da minha disponibilidade, artistas ou acontecimentos que marcam ou marcaram o panorama musical alternativo".

"The Indies" no Som à Letra 

No Som à Letra , este novo espaço de opinião vai abraçar temas diversos na área musical ,tendo em conta a politica dos dois V´S do nosso ciberjornal: vintage e vanguardismo. A primeira crónica está aí e trata da "Segunda vida do Vinyl".

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…