Avançar para o conteúdo principal

Rock em Portugal no Som à letra


A cada dia que passa o Som à Letra cresce em número de leitores , crescem o número de bandas a abraçar e a equipa começa a formar-se.Parece mesmo que a  minha teimosia saudável está a colher frutos (o que é muito motivante, acreditem) .

Chama-se Aristides Duarte , é um dos grandes conhecedores do Rock em Portugal (com já dois livros na bagagem) e é o primeiro cronista do nosso jornal, já a partir de Junho.

Para já , continua a Irene a manter o Som à letra (por opção, já que o trabalho como freelancer impede neste momento reuniões , avaliação de textos etc).

No entanto , esta situação vai mudar brevemente , em que depois de um processo de selecção (o som à letra anda atento...), a equipa /colaboradores do Som à Letra vai ser comunicada (até porque está cada vez mais dificil atender sozinha as bandas que batem , e muito bem , à nossa porta).

Estes próximos meses vão ser decisivos na sólida construção deste jornal e do site (os primeiros storyboards estão aí à porta).

Acho que não é preciso dizer que todos os meus leitores estão convidados para as sessões de brainstorming para a construção deste jornal. Be my guest!

Ou diariamente no nosso facebook, repleto de banda sonora para longos dias de trabalho

 Até já, 

Irene Leite

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Slimmy

Não faço as coisas para chocar”
Chama-se “Be someone else” o novo álbum de Slimmy. O músico garante que está mais maduro , mas que persegue com o trabalho a que estamos habituados. “Não faço as coisas para chocar”, avisa em entrevista ao jornal Metro.
Slimmy apareceu há dois anos no panorama musical português ,mas já deixou marcas, não só a nível musical (a sua música chegou a series de televisão como o CSI), mas também pela indumentária. Agora temos  “Be someone else” para continuar a história. 
O álbum “reflecte o amadurecimento, uma maior estabilidade a nível mental. Embora mantenha a minha irreverência”, explicou o músico ao jornal Metro. Slimmy garante, contudo, que o que importa é “fazer músicas que as pesssoas possam cantar e letras que as pessoas possam entender. Não faço as coisas para chocar”, garante.
As músicas reflectem experiências do dia a dia de Slimmy. “Há uma balada , “I can´t live without you in this town”, que é dedicada a uma rapariga do Texas que conheci em 2004,…

Temos uma nova casa...Visitem-nos!

São quase 8 anos desta vida sonora. E ainda bem.
Em honra ao primeiro nome deste media, o eterno Som à Letra, criarei uma rubrica, na Scratch Magazine.

Por enquanto estamos a reunir arquivo mas contamos convosco. No âmbito da tese de mestrado vão ser analisados os anos I e II da publicação , que podem ser encontrados neste blogue e em cibersomaletra.blogspot.pt.

Para continuar a seguir a nossa "história" basta seguir o seguinte link:

scratchmag.org

Freddy Krueger

Pesadelo em Elm Street regressa aos cinemas
Nos anos 80, o imaginário de muitos adolescentes era atormentado por um homem que lhes  aparecia nos sonhos  e se tornava o maior pesadelo mortal de sempre. Chamava-se Freddy Krueger. Em 2010 está de volta para nos tirar o sono. E não é fruto da nossa imaginação.



A personagem criada por Wes Craven (que não aprovou este regresso), volta ao cinema neste remake do primeiro filme da saga, de 1984.  
Mais uma vez a história repete-se. Pesadelo em Elm Street acompanha os adolescentes Nancy, Kris, Quentin, Jesse e Dean, que vivem em Elm Street.
Durante a noite, todos têm tido o mesmo sonho sobre um homem com uma camisola vermelha e verde, um chapéu velho, uma cara desfigurada e uma luva com lâminas. No sonho ouvem uma assustadora voz, que chama por eles.
Depois da morte do primeiro adolescente percebem que o que acontece nestes pesadelos acontece na vida real. Por isso vão fazer todos os esforços para não adormecer e tentar descobrir por que fazem par…